/pt/conselho/997/discursodeaberturairmasally
Congregação das Irmãs de São José de Chambéry | NOTÍCIAS

Choose your language:


  • NOTÍCIAS

    19 de Jun, 2021

    Discurso de Abertura - Irma Sally


    Sessão de 18 de junho de 2021

     

    Good morning! Bom dia! Buenos Dias! Buon Pomeriggio!  Bon après-midi! God eftermiddag, Wan Shang Hao!

     

     

    É maravilhoso estarmos reunidas, estarmos juntas, embora não seja pessoalmente! O dia de hoje é um marco em nossa caminhada. Uma caminhada cujo nome é 30º Capítulo Geral de nossa Congregação. Sou muito agradecida por ter cada uma de vocês como companheiras neste caminho sagrado.

     

    Nestes últimos cinco anos e meio, temos embarcado em várias viagens. Iniciamos nossa caminhada em 2016, comprometidas em viver o dinamismo da reconciliação e de ser uma presença de cuidado e cura para inúmeras fraturas em nossos contextos sociais. Esta caminhada nos levou à exploração do mistério dos encontros sagrados e de vivenciar esses encontros sagrados umas com as outras e com as pessoas com as quais nos relacionamos, no quotidiano da vida. O aprofundamento de nossos encontros com Deus e com os outros nos levou a um novo patamar, no qual nos comprometemos como líderes a viver as bênçãos destes encontros quando procuramos encarnar o amor com alegria. E, agora, todas nós somos convidadas a acolher e a abraçar as bênçãos necessárias para nutrir nossa capacidade de sermos mulheres e “comunidades imersas no Espírito, conectadas com o mundo”.

     

    Como Congregação, à medida que avançamos mais profundamente nesta imersão no Espírito, passamos os últimos 10 meses refletindo sobre nossa experiência de viver os apelos do Capítulo Geral de 2015. Todas nós crescemos em nossa capacidade de sermos reconciliadas e reconciliadoras, de sermos mulheres de encontros respeitosos e amorosos, de sermos mais francas conosco mesmas, sobre nossa própria necessidade de nos perdoar e de crescer em nossa capacidade de perdoar os outros, de sermos menos julgadoras e mais amáveis em acolher o “estranho” em nossas queridas comunidades. Avançamos para as periferias físicas e existenciais e nos permitimos de celebrar essas novas experiências. Chamadas para sermos precursoras, respondemos de maneiras que não poderíamos ter imaginado, há cinco anos atrás, às demandas da pandemia global em curso.

     

    Estes anos, permeados de alegrias e de vida nova, de tristeza pela morte de pessoas queridas, incluindo a morte de Irmãs que iniciaram este caminho connosco em 2016 e que agora intercedem por nós junto de Deus; com um misto de gratidão e melancolia pelo encerramento de algumas de nossas atividades, mas, também, de alegria pela abertura de novas missões e integração de novos membros. Todas essas experiências fertilizaram o solo de quem somos como congregação, enriquecendo-nos com os preciosos nutrientes de que precisamos para sustentar nossa caminhada futura. Estas situações foram para nós momentos eucarísticos. Momentos em que mais intensamente nos unimos à missão de Jesus, respondendo aos novos apelos do Evangelho.

     

    A pandemia global nos deu a oportunidade única de nos reconhecermos mais vulneráveis ​​do que, talvez, em outras épocas de nossas vidas. Isso nos deixou mais expostas e sensíveis, mesmo quando lidávamos com as feridas e os sofrimentos das pessoas próximas ou distante de nós. O tocar nas feridas das outras pessoas e abraçar nossa vulnerabilidade são, sem dúvida, alguns dos nutrientes preciosos que nos ajudará a avançar para o futuro. Somos mais fortes e resistentes... estamos conectados umas com as outras de uma maneira nova porque, de alguma forma, participamos do sofrimento de umas às outras de maneiras que nunca teríamos imaginado de termos sido capazes de ter feito no passado. Somos mulheres determinadas, empenhadas em estar presente onde nossa presença é mais necessária, em estar presente como testemunhas de alegria, em acompanhar as pessoas rumo a um futuro de maior igualdade, onde a esperança não é uma mercadoria a ser comprada, mas é o ar a que todas as pessoas podem respirar.

     

    A música que escutamos na Oração de Abertura nos fala de Ousar Viver. Eu convido a cada uma a Ousar Viver, a Ousar a esperança, a ir além, a ultrapassar as fronteiras ou limites que estabelecemos para nós mesmas; caminhar em direção ao invisível, ao desconhecido, a abandonar estruturas e regras estranhas, o consumismo, os sentimentos mesquinhos a competição com os outros. Ousemos ir ao encontro dos outros e abraçar o mundo como ele é, sem medo de passar por futuros sofrimentos ou sensação de inadequação, porque aí descobriremos toda a bondade que Deus colocou nos corações humanos. Fratelli Tutti 78

     

    Venha, junte-se a nós na imersão no Espírito, venha mergulhar numa piscina de água refrescante, experimente um novo Batismo, permitindo-se de ser libertada de tudo o que a impedirá de entrar plenamente nesta nova caminhada, uma caminhada global de luz e esperança, uma caminhada que estamos trilhando juntas com nosso mundo sagrado, mas necessitado de cuidados.

     

    Obrigada por quem você é e por todo o amor incondicional de Deus que você compartilha com tantas pessoas.

    Galeria de Imagens:




    Envie Seu Comentário!




    Compartilhe esta notícia:

    Campos preenchidos com são de preenchimento obrigatório