• Comissões Internacionais

    02 de Out, 2013

    Ajudando os mais necessitados...


    “Vão pelo mundo inteiro e enunciem a boa notícia para toda a humanidade.” (Mc. 16, 15)

    Em minha vida, como Irmã de São José, sempre senti um impulso interior de ajudar as pessoas em suas necessidades. No início de minha Vida Religiosa trabalhei como professora; nessa missão sempre procurei evangelizar através de aulas de religião e dando destaque as celebrações litúrgicas ao longo do ano.

    Em 1996, deixei a escola e dediquei-me a cuidar de minha irmã doente. Nesse tempo comecei a exercer o que hoje chamo de Pastoral de Rua: oferecia às pessoas, sobretudo senhoras grávidas ou com crianças pequenas, uma oração para as crianças. As mães ficavam muito contentes. É bom rezar esta oração quando a criança está no ventre materno ou já é nascida. Pode-se fazer o mesmo com pessoas adultas. É bom rezá-la quando a criança ou a pessoa dorme. Por quê? Porque nosso inconsciente nunca dorme e registra mais facilmente quando o consciente dorme. O inconsciente trabalha com o material que oferecemos. Ele não escolhe nem seleciona. Por isso a importância de sempre deitarmos com mensagens positivas, orações que inspirem confiança em Deus. Nunca levar problemas para a cama a não ser para procurar uma solução. Caso contrário, o nosso inconsciente trabalha negativamente quando deitamos com pensamentos negativos.

    Deixo aqui o relato de como nosso inconsciente pode mudar crianças ou adultos quando fornecemos a ele material de qualidade, pela repetição de mensagens positivas, orações que inspirem confiança. Recebi uma carta de um negociante de Chicago que havia lido em meu livro O Milagre da Dinâmica Mental, o capítulo intitulado, “Como estar bem e assim ficar todo tempo”. Fazia um ano que o filho dele, com oito anos de idade, estava sofrendo de uma asma, muito séria, com crises paroxísticas que exigiam um tratamento de urgência. Uma noite o pai sentou-se ao lado da cama do filho e rezou em voz alta enquanto o menino dormia: “John, você é filho de Deus. Vejo agora a presença de Deus em você. Esta é a presença da harmonia, da saúde, da paz, da alegria, da vitalidade, da perfeição. Deus lhe soprou o hálito da vida. O Espírito de Deus o fez, e sei que o sopro do Todo Poderoso lhe deu a vida. Você inala a paz de Deus e exala o amor de Deus. Pai graças te dou por haveres me ouvido e sei que sempre me ouves” (Jo 11, 41-12).

    Ele rezou cerca de uma hora, repetindo essas grandes verdades e sabendo que elas impregnariam o subconsciente do menino. Sentiu que a oração fora atendida ao experimentar uma paz interior e não ter vontade de orar mais. Quando o garoto acordou pela manhã disse: “Pai sonhei que me aparecia um anjo e me dizia: John, você está curado”. O menino recuperou-se completamente. A convicção que o Pai tinha na presença de Deus comunicou-se ao filho e foi dramatizada, pelo seu subconsciente, na forma de uma figura angelical, que fez o garoto ter a certeza que estava curado. Esse é um poder da prática da presença de Deus.

    Uso esta e outras mensagens para orientar as pessoas que encontro na rua ou em outros lugares, que conversam comigo e expõem problemas. As pessoas ficam felizes ao receber esta mensagem ou outra. Tenho provas de que rezando com convicção e perseverança o resultado aparece. Esta é uma das formas de realizar a minha missão junto às pessoas para promover justiça paz e amor.

    Agradeço a Deus por me ter colocado nas mãos esta forma e outras de realizar minha missão de forma simples e fácil. As pessoas são muito reconhecidas e demonstram muita confiança e carinho. Parece-me que é uma forma de aproximar as pessoas com Deus, consigo e com os outros: lembro aqui do nosso Carisma de comunhão.

    Ir. Maria do Carmo Giongo
    Província de Lagoa Vermelha/Brasil
     




    Compartilhe:


    COMENTÁRIOS
    Ceverina Cadore
    01/06/2014
    Oh amiga Carmo! Gostei de sua ação humana. Parabens,continue. Muita gente vai precisar. Um aabraço Irmã Ceverina


    Envie seu comentário!

    *Campos marcados com  barra são de preenchimento obrigatório.